Conheça nossos planos de saúde

O que é pré-diabetes? Confira os principais sintomas

Pré-diabetes é um estágio intermediário entre o padrão saudável da glicose no sangue e o de diabetes tipo 2.   

Time Alice
| Atualizado em
8 min. de leitura
O que é pré-diabetes? Confira os principais sintomas

O que é pré-diabetes? Confira os principais sintomas

Tamanho do texto

O alerta de alto risco de desenvolver diabetes nem sempre aparece na forma de sintomas, mas vem certeiro nos exames de sangue. Um dos sinais de que é preciso ficar atento é a taxa de glicose. Se ela vier acima dos valores esperados, há o risco de pré-diabetes.

Como o nome indica, esse é um estágio intermediário entre o padrão saudável e o de diabetes tipo 2. Não quer dizer que a pessoa se tornou diabética, mas que está perto disso. A boa notícia é que dá para reverter o quadro com a mudança dos hábitos de vida {alô, alimentação e exercícios}.

O que é pré-diabetes?

A condição de pré-diabetes é identificada quando os resultados do exame de glicemia em jejum estão acima de 100 mg/dl, mas abaixo de 126 mg/dl.

Em comparação, para níveis normais, o resultado esperado é entre 60 mg/dl e 99 mg/dl. Já valores acima de 126 mg/dl são indicativos de diabetes.

Quando a pessoa está nesta faixa intermediária {ou, pré-diabetes}, pode receber a recomendação de fazer outro exame, o teste oral de tolerância à glicose {também conhecido por curva glicêmica}, para confirmar os dados.

Mas, se houver alteração logo no primeiro exame, é muito provável que a pessoa seja orientada a rever os hábitos relacionados ao estilo de vida, a fim de evitar que o pâncreas perca a capacidade de produzir a insulina, hormônio responsável por informar as células de que devem absorver a glicose (açúcar) ingerida na alimentação.

Sem essa sinalização, a glicose permanece na corrente sanguínea e o corpo não recebe a energia necessária para realizar suas atividades.

O corpo dá sinais de pré-diabetes?

Incômodos típicos de diabetes podem surgir no quadro de pré-diabetes também, mas nem sempre aparecem ou são percebidos.

Além de falta de energia devido à não absorção da glicose pelas células, a pessoa pode sentir mais vontade de fazer xixi, já que o corpo faz um esforço maior para eliminar o açúcar do sangue por meio da urina.

O excesso de glicose também pode atrapalhar a circulação sanguínea. Por isso, é importante ficar atento aos possíveis sinais do corpo para que não haja evolução para outras condições, como infecções urinárias ou problemas de cicatrização.

Sintomas de pré-diabetes:

  • Cansaço ou falta de energia;
  • Aumento da fome;
  • Sede excessiva;
  • Vontade de urinar com frequência;
  • Infecções frequentes;
  • Dificuldade de cicatrização;
  • Vista embaçada.

O que fazer para não virar diabetes?

Hábitos de vida mais saudáveis são a principal resposta contra pré-diabetes {e para evitar que se transforme em diabetes}. Aí entram alimentação saudável e uma rotina de exercícios físicos.

“Em quadros de pré-diabetes, algumas pessoas podem até receber indicação de medicamentos para prevenir a evolução para diabetes. Mas o principal é adotar uma alimentação adequada e fazer exercícios físicos com regularidade”, explica o médico endocrinologista Augusto Cézar Santomauro Júnior,  da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, que faz parte da comunidade de Saúde da Alice.

Pré-diabetes: o que comer?

Receber o diagnóstico de pré-diabetes não significa nunca mais comer doce na vida – mas entender melhor os alimentos que ingere {hábito que todo mundo deveria manter}.

Glicose nada mais é do que açúcar e, quando está em circulação no organismo, é chamado de glicemia. E de onde vem este açúcar? Do macronutriente carboidrato, presente em pães e massas, mas também nas frutas e legumes.

“A dieta para o pré-diabético ou diabético é aquela que toda pessoa deveria ter. Não existe um alimento sozinho que vá causar diabetes ou desregular a glicemia no sangue. E não há necessidade de cortar todo o carboidrato”, afirma Juliana Malafaia, nutricionista da Alice.

Um prato de almoço equilibrado, por exemplo, deve ser composto de 50% de verduras e legumes, 25% de cereais, grãos ou tubérculos, e 25% de alimentos fontes de proteínas, tanto de origem animal quanto vegetal.

Incluir frutas na refeição ou como sobremesa também é uma boa pedida, já que possuem grande quantidade de fibras, assim como as verduras, os legumes e os grãos.

Outra dica é incrementar o prato com gorduras boas, como azeite ou sementes, mas sem exageros.

Alimentos para pré-diabéticos:

Confira abaixo alguns alimentos recomendados para manter a glicemia regulada:

  • Verduras e legumes: todos e, quanto mais variados, melhor;
  • Cereais, grãos e tubérculos: arroz integral, macarrão integral, quinoa, aveia, milho, batata, inhame;
  • Proteínas: peixes, frutos do mar, frango, ovo, tofu, feijão, lentilha, grão de bico, ervilha;
  • Gorduras boas: azeite de oliva, nozes, amêndoas, semente de abóbora ou de girassol;
  • Frutas: morango, pera, goiaba, melão, laranja e maçã.

Os laticínios também são uma boa fonte de proteínas, mas é melhor escolher as versões com menos gordura para diminuir o risco cardíaco. Num lanche, por exemplo, as melhores opções seriam leite ou iogurte desnatados e queijos brancos, como cottage ou ricota.

“Temos que fazer boas combinações sempre para que a digestão não ocorra tão rapidamente, como acontece quando consumimos somente os alimentos fontes de carboidratos. Se a opção do dia é um pão, inclua também uma proteína, como um queijo branco, ou uma cenoura ralada, que possui fibras”, exemplifica a nutricionista.

Em todas as refeições {seja em um momento de pré-diabetes ou não}, é importante evitar o consumo de ultraprocessados, como produtos industrializados e de fast food.

Cereais açucarados, biscoitos, salgadinhos, molhos prontos e outros empacotados não são indicados porque têm grande quantidade de carboidratos simples, que se transformam rapidamente em glicose. Além disso, o valor nutricional desses alimentos é baixo.

As frituras, que têm efeito semelhante no sangue, também devem ser evitadas.

Vale ainda destacar que é melhor dar preferência ao consumo da fruta inteira do que o suco. Além de não conservar as fibras, os sucos são feitos, geralmente, com muitas frutas – além do que você comeria normalmente {afinal, quem é que faz suco de laranja com apenas uma laranja?}.

Alimentos que devem ser evitados na pré-diabetes:

  • Açúcar, chocolates, bolos e sorvetes {versões ultraprocessadas};
  • Pão branco, arroz branco e tapioca;
  • Alimentos ultraprocessados em geral;
  • Frituras e gorduras animais;
  • Queijos amarelos, leite ou iogurte integral;
  • Suco de fruta;
  • Bebidas industrializadas e alcoólicas.

Adoçantes e produtos diet: pode?

Os adoçantes e produtos diet costumam vir à mente das pessoas como alternativa de consumo para quem tem pré-diabetes ou diabetes.

Se o motivo for apenas o sabor doce, podem ser uma opção. Mas não se engane: não são alimentos livres de carboidratos ou nutritivos.

“Alimentos diet não são necessariamente mais saudáveis. O diet não tem açúcar adicionado, mas pode ter outros substitutos do açúcar e aditivos químicos.

No caso do chocolate diet, por exemplo, a quantidade de gordura pode ter sido ampliada para proporcionar mais sabor e textura”, lembra Malafaia.

A nutricionista destaca que o ideal é, gradualmente, adequar o paladar ao gosto natural dos alimentos. “O adoçante é um substituto do açúcar, mas grande parte vem de fontes artificiais. Se for usar adoçante, prefira os de fontes naturais, como xilitol ou stévia”, recomenda.

Pré-diabetes: por que fazer exercício físico?

Sair do sedentarismo também é fundamental para reverter os índices de glicemia que indicam pré-diabetes.

Ao fazer atividade física, o nosso corpo gasta energia e utiliza o açúcar em circulação no sangue em uma maior velocidade. Consequentemente, a taxa de glicemia diminui.

“Na atividade física, há uma melhora no quadro de resistência insulínica, que é a origem do diabetes. Durante os exercícios, o corpo usa a glicose independentemente da insulina, o que ajuda a regular a glicemia”, explica Juliana Malafaia.

Perder peso também ajuda a prevenir outros problemas de saúde. Fazer pelo menos 30 minutos de atividade moderada, em cinco dias da semana, é o ideal.

Alice tem o plano de saúde certo para a sua empresa

A Alice é um plano de saúde com um Time de Saúde que está preparado para ajudar seus colaboradores a resolverem qualquer queixa de saúde, com atendimento feito por médicos e enfermeiros 24 horas por dia, 7 dias por semana.

Nossa cobertura é nacional, com uma rede credenciada de excelência, incluindo os melhores hospitais e laboratórios, e especialistas escolhidos a dedo.

E olha só que prático: todas as informações que os nossos membros precisam para cuidar da sua saúde estão no app: encaminhamento e agendamento de consultas e exames, receitas, resultados integrados, histórico… A nossa coordenação de cuidado amarra todas essas pontas para que a gente acompanhe a jornada de cada pessoa e possa oferecer o melhor cuidado, de forma eficiente e resolutiva.

O resultado são colaboradores mais saudáveis e que amam a experiência de ter Alice.

Tudo isso com uma experiência incrível para o RH, com contratação rápida, sem burocracia, e com controle de custo.

Bora oferecer mais saúde para a sua equipe?

O que achou desse artigo?

Média: 4,57 / 58 votos

1 estrela2 estrelas3 estrelas4 estrelas5 estrelas

Ao navegar neste site, você está de acordo com a nossa Política de Privacidade

Quanto custa o plano de saúde Alice?

Faça uma cotação para a sua empresa

Plano de saúde empresarial da Alice

Os melhores hospitais, laboratórios e atendimento 24 horas pelo app para cuidar dos seus colaboradores.

Ver planos